SOBRE O PROJETO

Imersões Digitais é uma plataforma para experimentos, tanto artísticos quanto curatoriais. Decidimos navegar dentro de um espaço desconhecido e propusemos uma nova experiência para ês artistas convidados.

Executar uma exposição, uma obra de arte, quando se conhece em quais terrenos está se adentrando, facilita o trabalho. Se estamos em um museu ou uma galeria, podemos solicitar metragens, compreender o espaço, suas limitações, quantos centímetros de distância cada obra fica disposta, com que cores as paredes serão pintadas…Mesmo quando os suportes são variados, uma pintura ou uma vídeo-instalação, a materialidade das obras e do próprio espaço, nos ajudam a construir narrativas sobre o que estamos vendo e como percorremos a exposição. 

O proposto aqui foge desta realidade familiar. Ao nos depararmos com um novo cenário iniciado no Brasil, em março de 2020, no qual o encontro já não é tão corriqueiro, espaços de partilha e de trocas têm números de visitantes limitados e o trânsito dos corpos e corpas na cidade é limitado, bloqueado, nós, criadores e consumidores de arte e cultura, tivemos que propor novas ocupações de territórios ainda a serem desbravados e explorados mas os quais oferecem, atualmente, um alento de segurança e, de alguma forma, de partilha e troca. 

O território por nós escolhido foi o virtual. Um espaço ao mesmo tempo familiar mas desconhecido onde os nossos trânsitos diários acontecem em formato de mensagens, compartilhamento de imagens, mergulhos em infinitas abas e googleadas. Por momentos parecemos compreendê-lo mas suas múltiplas possibilidades não se revelam para nós, sujeitos que não entram nas profundezas da web, assim como a cidade que nos atravessa cotidianamente. 

Neste contexto convidamos 9 artistas, habitantes ou naturais do grande Rio de Janeiro, para ocuparem uma pequena fração desse espaço digital supostamente ilimitado. Não se trata de uma exposição coletiva e sim de exposições individuais mas é inegável apontar que as obras se encontram em encruzilhadas do território carioca ao colocar em discussão problemas que a cidade nos apresenta, seja em ambientes compartilhados pela massa, como o espaço das ruas, ou na intimidade das esferas privadas de nossas casas e quartos. Para marcar a singularidade das mostras, a cada semana, um artista inaugura sua exposição, em uma galeria sua, criando o seu próprio enredo e lidando com os desafios desta plataforma a seu modo.

O projeto se fez possível graças à lei de emergência cultural Aldir Blanc do município do Rio de Janeiro.

FICHA TÉCNICA
CURADORIA E COORDENAÇÃO

Julia Baker

Juliana Pereira

 

ARTISTAS

Agrade Camíz

Ana Cláudia Almeida

André Vargas

Bea Martins

Davi Benaion

Denilson Baniwa

Diambe da Silva

Rafael Amorim

Sallisa Rosa

IDENTIDADE VISUAL

André Lima

Luísa Borja

 

COMUNICAÇÃO E MÍDIAS DIGITAIS

Lívia Aguiar


 

APOIO ENTREVISTAS

NaPupila